o mundo aqui dentro

Eu penso muito. O mundo aqui dentro imagina, analisa, absorve – tem informação demais. Mas acho que ele só faz mesmo sentido quando escrevo, quando desenho.

É no papel que simplifico o complexo e procuro o essencial – o nó da busca universal: me entender, entender o outro. Encarar o medo, sem autoengano, sem autocomplacência – mas também sem rigidez, com paciência e carinho por essa jornada imperfeita.

Leio com entusiasmo, observo o mundo o tempo inteiro. Quando ouço uma conversa, quando estou dentro de um livro, e também quando procuro palavras, quando ensaio traços, o mundo aqui dentro e o mundo lá fora se diluem um pouco um no outro. Vou percebendo que o que é mais intimamente meu é também profundamente seu. É humano.

É o que procuro quando escrevo, quando desenho: relacionar o mundo aqui dentro com esse outro universo todo. Lá fora. E aí dentro.

Mini bio
Jornalista e ilustradora, tenho mestrado em Literatura pela Sorbonne, em Paris. Repórter de política, há quinze anos participo da cobertura da Câmara dos Deputados. Publiquei os livros infantis A Rua de Todo Mundo e A História de Você. Escrevo para revistas no Brasil e, na França, colaboro com a revista de crônicas e ilustrações Citrus. Fui coordenadora de criação do Festival Desenho Vivo e sou cofundadora do Quadrado, revista eletrônica que discute a identidade urbana da capital do Brasil. Faço parte do grupo de estudo Teoria e Clínica Psicanalítica na Infância, da Intersecção Psicanalítica do Brasil (IPB). Sou mãe do João e do Pedro, dois caras legais à beça.

       

Um pouco de tudo

dentes + sementes

Planta, desenhos, textos e escultura que nasceram porque eu cismei com coisas que não existiam e de repente existem.

mais

Na sala de aula

O livro A Rua de Todo Mundo tem sido adotado por escolas no trabalho paradidático de vários temas. Educadores contam como.

Mais

Me manda um oi

Quer fazer um comentário? Me escreve! Talvez eu demore pra responder, mas vou amar receber seu email. ;)

Email

Quadrado

Vem conhecer o site onde a Dani Cronemberger e eu falamos um pouco sobre a vida em Brasília!

Mais

Festival Desenho Vivo

Festival dedicado à capacidade do desenho de traduzir o que as palavras não dão conta, realizado em Jul 2021 no CCBB Brasília.

Mais

Jornalismo impresso

Um arquivo das matérias que mais gostei de publicar em revistas e jornais.

Mais

Caderno de rascunho

(des)oficina de desenho

respeito aos mestres. se vou convidar crianças para desenhar e ver desenhos, não posso chamar essa atividade de oficina de desenhos. não há nada para ser consertado ali. foi assim que realizamos a (des)oficina de desenhos, durante o 1º seminário de teoria, prática e ensino do desenho: o rumor da linha, em novembro de 2019. […]

11
jun
portfolio online
13
dez

Para que serve a arte?

Me entreguei ao desenho a vida inteira, fazendo sempre, mas escondida sempre, atormentada de tempos em tempos por um conflito interno que pode ser resumido em: por que fazer? Para que desenhar? Para que publicar um livro? Para que escrever uma história? Para que serve a arte? Nunca estudei arte, fugi de toda aula de […]

um falcão, sei lá

Tomar a vacina mudou tudo – já na volta, na estrada, tinha mudado. A cada curva eu torcia por um horizonte mais longe, torcia por uma paisagem mais aberta, torcia pra não ter caminhões nem prédios nem mesmo montanhas próximas. Queria ver longe, longo, queria ver à distância. Tomar a vacina me deu fome de […]

espelho mágico

o objeto mais importante do palácio. objeto, porém o mais importante. e do palácio, hein?, o mais importante. porém objeto. – espelho, espelho meu: existe alguém mais belo do que eu? mais inteligente? mais cheio de ideias? mais viril? existe alguém mais justo? mais honrado? mais forte? mais criativo? mais sensível? mais especial? existe alguém? […]

fome de mim mesma

Este texto é o mais importante que eu escrevi na vida. Ele foi publicado originalmente em francês, na revista Citrus. Eu achei que nunca ia ter coragem de publicá-lo em português, mas hoje eu tive. Nada se parece mais com o vazio existencial do que a fome. Eu tinha seis anos e meio, nunca tinha […]